Arquivo da tag: Brasil Colonial

manuelitos rosenbaum para brascor

Foi lançada em março, a linha de móveis que criamos para a Brascor: um armário, um rack e uma mesa inspirados no estilo Manuelino. Tido como uma variação portuguesa do estilo gótico, o estilo Manuelino desenvolveu-se no reinado de D. Manuel, tem presença marcante na história do mobiliário português e mundial e foi totalmente incorporado na nossa história de Brasil Colonial.

A nossa proposta é de uma interpretação do estilo Manuelino, com a tradução de suas proporções, raciocínio de construção e sofisticação de relevos e encaixes. Isso usando um material contemporâneo e altamente tecnológico, que é o Magic Stone da Brascor, e os recursos  da técnica de termo moldagem das chapas que o material possibilita.

O lançamento da linha Rosenbaum para Brascor Countertops foi durante a Kitchen & Bath Expo, que aconteceu em São Paulo, agora em março.

rack: altura 45cm, profundidade 45cm e largura 1m65cm

armário: altura 1m33cm, profundidade 45cm, largura 82 cm

mesa: altura 34cm, profundidade 1 m, largura 1 m

Anúncios

dalva e dito inclusive

 0

O projeto do restaurante Dalva e Dito- dos chefs Alex Atala e Alain Poletto, partiu da proposta de resgatar a comida colonial brasileira.

110

Pelo nosso entendimento deste briefing, partimos para a criação de um espaço físico qualificado para abrigar e ampliar este resgate. Concebemos o projeto como um grande palco mesmo, que ofereça recursos e possibilidades estéticas, funcionais e emocionais, para que o colonial brasileiro ganhe expressão no espaço e no tempo atual.

2

A nossa pesquisa começou com uma viagem de estudo a Ouro Preto (MG), diretamente na fonte do patrimônio arquitetônico brasileiro preservado.

31

Olhamos para as casas, para as igrejas, paras as janelas e portas. Para a cor do chão e do céu. Para as medidas e para as proporções. Para o cheiro que se espalha na hora das refeições. Para o andar dos que apenas passam. Todo o entorno nos interessou, além das belas artes, treliças, azulejos e pisos hidráulicos. Olhamos para além de Minas Gerais.

4

Revivemos a imagem do Brasil Colonial. Voltamos com a memória brasileira fresca, na cabeça e no coração.

O conceito do projeto é a inclusão dessa memória, pois acreditamos que não há resgate sem inclusão- da cultura, do objeto e do homem artista e cidadão.

5

O Dalva e Dito foi construído assim. As proporções são generosas. As paredes são de Super Adobe, uma evolução da taipa de pilão; nas cores do barro com tingimentos naturais, construídas por jovens de risco social capacitados pelo Instituto Arapoty (organização voltada para a difusão dos valores sagrados indígenas). As mesas são de restos de piso de madeira de demolição. Grandes tapetes de piso hidráulico recobrem o piso. A escolha dos objetos e obras de arte privilegia a nossa arte popular, mescla valores e faz uma ponte com a sofisticação dos acabamentos dos ambientes. 

6

 As treliças fecham o teto e área externa do terraço: como nos tempos da colônia, abrigando a iluminação interna, servem de grandes lamparinas para quem está dentro ou de passagem pela rua. Sinalizam o lugar de encontro e reencontro das nossas Dalvas e Ditos, do Brasil Colonial com sabores de hoje.

piso: ladrilhos hidráulicos Brasil Imperial

 paredes: Super Adobe Instituto Arapoty http://institutoarapoty.blogspot.com/

 painel de azulejos:  Athos Bulcão www.fundathos.org.br

muxarabis: Marcenaria  Artífice

marcenaria mesas: Uirapuru Ecowood

 antiguidades: Casarão Artes e Antiguidades

 rosário: Joelson Gomes joelsonbiu@gmail.com

adega: Maison des Caves

 sofá: Rosenbaum Design, tecido Mercedes Tissume www.tissume-mercedes.blogspot.com

 mesas espera: Rosenbaum Design

 paredes em madeira: Masisa www.masisa.com

grafite: Derlon Almeida www.derlonalmeida.blogspot.com 

coleção de objetos: acervo Rosenbaum Design 

projeto de iluminação: Cia da Iluminação, Carlos Bertolucci 

construtora: Honda Engenharia

 fotos: Douglas Garcia e Cássio Vasconcellos