Arquivo da categoria: comercial

galeria zipper

A semana começa com o início das obras da Galeria Zipper. Um projeto encomendado pelo marchand Fabio Cimino, para sua nova galeria de arte.

A Zipper será aqui em São Paulo, nos Jardins, na Av. Estados Unidos, 1494. Como curiosidade, um ponto que já tem história: nos anos 80 foi onde funcionou a Galeria de Pietro Maria Bardi.

A proposta é de uma galeria para artistas jovens. E o projeto acompanha com um conceito simples, inovador, versátil e de escolhas sustentáveis: no desenho, nos materiais e nas funcionalidades.

Recepção e café integrados, com alternativa de ainda integrar essa área com o acervo ou de manter o acervo privativo.

¨

Área de exposição com duas paredes móveis, pivotantes, que possibilitam a variação do layout, de acordo com a demanda das exposições.

Ambiente confortável com telhado térmico acústico e iluminação zenital, e móveis de madeira pinus certificada.

Uma das prioridades do projeto foi utilizar ao máximo a estrutura já existente, como forma de reduzir o impacto ambiental da obra. Inclusive, com o aproveitamento da laje superior que será transformada em área de descanso. Um bom começo, e boa semana pra todo mundo!

sábado tem lar doce lar!

nicota

nicota1

nicota2

 

nicota4

nicota6

nicota7

 

nicota10

nicota9

nicota11

Fotos Beto Consorte

nicota hoje

dsc04124

O Nicota, restaurante de Marisa Campos, acabou de abrir as portas, para almoços de segunda à sábado, das 12 às 15h. Hoje é dia de Fraldinha ou Pene, acompanhado de salada. Todo dia, dois pratos, um lugar igualmente gostoso e o talento e simpatia de Marisa. Bem-vindo seja Nicota no nosso almoço!

dsc04071

dsc04061

dsc04074
dsc040733
Nicota
rua Costa Carvalho, 72  Pinheiros  tel. 30316373

dalva e dito inclusive

 0

O projeto do restaurante Dalva e Dito- dos chefs Alex Atala e Alain Poletto, partiu da proposta de resgatar a comida colonial brasileira.

110

Pelo nosso entendimento deste briefing, partimos para a criação de um espaço físico qualificado para abrigar e ampliar este resgate. Concebemos o projeto como um grande palco mesmo, que ofereça recursos e possibilidades estéticas, funcionais e emocionais, para que o colonial brasileiro ganhe expressão no espaço e no tempo atual.

2

A nossa pesquisa começou com uma viagem de estudo a Ouro Preto (MG), diretamente na fonte do patrimônio arquitetônico brasileiro preservado.

31

Olhamos para as casas, para as igrejas, paras as janelas e portas. Para a cor do chão e do céu. Para as medidas e para as proporções. Para o cheiro que se espalha na hora das refeições. Para o andar dos que apenas passam. Todo o entorno nos interessou, além das belas artes, treliças, azulejos e pisos hidráulicos. Olhamos para além de Minas Gerais.

4

Revivemos a imagem do Brasil Colonial. Voltamos com a memória brasileira fresca, na cabeça e no coração.

O conceito do projeto é a inclusão dessa memória, pois acreditamos que não há resgate sem inclusão- da cultura, do objeto e do homem artista e cidadão.

5

O Dalva e Dito foi construído assim. As proporções são generosas. As paredes são de Super Adobe, uma evolução da taipa de pilão; nas cores do barro com tingimentos naturais, construídas por jovens de risco social capacitados pelo Instituto Arapoty (organização voltada para a difusão dos valores sagrados indígenas). As mesas são de restos de piso de madeira de demolição. Grandes tapetes de piso hidráulico recobrem o piso. A escolha dos objetos e obras de arte privilegia a nossa arte popular, mescla valores e faz uma ponte com a sofisticação dos acabamentos dos ambientes. 

6

 As treliças fecham o teto e área externa do terraço: como nos tempos da colônia, abrigando a iluminação interna, servem de grandes lamparinas para quem está dentro ou de passagem pela rua. Sinalizam o lugar de encontro e reencontro das nossas Dalvas e Ditos, do Brasil Colonial com sabores de hoje.

piso: ladrilhos hidráulicos Brasil Imperial

 paredes: Super Adobe Instituto Arapoty http://institutoarapoty.blogspot.com/

 painel de azulejos:  Athos Bulcão www.fundathos.org.br

muxarabis: Marcenaria  Artífice

marcenaria mesas: Uirapuru Ecowood

 antiguidades: Casarão Artes e Antiguidades

 rosário: Joelson Gomes joelsonbiu@gmail.com

adega: Maison des Caves

 sofá: Rosenbaum Design, tecido Mercedes Tissume www.tissume-mercedes.blogspot.com

 mesas espera: Rosenbaum Design

 paredes em madeira: Masisa www.masisa.com

grafite: Derlon Almeida www.derlonalmeida.blogspot.com 

coleção de objetos: acervo Rosenbaum Design 

projeto de iluminação: Cia da Iluminação, Carlos Bertolucci 

construtora: Honda Engenharia

 fotos: Douglas Garcia e Cássio Vasconcellos