Arquivo do dia: novembro 6, 2008

marcelo no méxico: pantone tropicalista comex 2008

Nossa mirada:

m61

pantone tropicalista

Anúncios

marcelo no méxico: e a coreografia?

m2todos bem concentradosm3story board da apresentaçãom5processom6

Amanhã sera a apresentação, ao som da trilha que o Jackson Araujo fez para a

Casa Cor Peru. Estamos agora pensando na coreografia….tipo show mesmo!!!!

marcelo no méxico: manifiesto

(este manifesto foi redigido pelo alunos depois dos primeiros exercícios)

Manifiesto, filosofía de diseño

Yo pensaba que la identidad se tenia, se conservaba, era propia, privativa, exclusiva, tal vez lo es, pero como es que la llegamos a cambiar? Identidad en realidad se consigue como añadidura en nuestra vida, ahora pienso que la identidad es la propia transformación, este proceso, implica incluir todas las culturas latinoamericanas que nos brindan características que no solo se limita a una forma antropométrica. Esta va mas allá, teniendo un aspecto impalpable, el misticismo, formas de vida, sensaciones percibidas por medio de colores e incluso olores generando una unidad olvidada, ha sido la identidad propia que surge innata en nuestras costumbres y tradiciones, por lo que debemos rescatar los factores mas emblemáticos de nuestra gente y países, potencializando el color y explorando contrastes, de modo irónico los inmensos contrastes es lo que nos hace ser iguales, Latinoamérica tiene esa vida, su fiesta, calor, color, que le falta a los demás y que los identifica los artistas tenemos que hacer que las personas valoren su origen identificándose con el y de esta manera acentuarlo y mostrarlo al mundo.

Porque la arquitectura es para las personas, la sustentabilidad se puede lograr uniendo personas dándole un valor a la cultura e historia, para que todo funcione como todo un organismo y se tenga una identidad, vamos a través de nuestro cuerpo, buscando identidad de una nación para valorizar nuestra autoestima.

marcelo no méxico: cidade de contrastes

 

palacio de bellas artes

palacio de bellas artes

 

mercado de la lagunilla

mercado de la lagunilla

 

canal de xochimilco a veneza mexicana

canal de xochimilco a veneza mexicana

México é uma cidade gigante, caótica cheia de contrastes. É fascinante, colorida e muito rica visualmente. Tem uma arquitetura de palácios franceses, pátios espanhóis, mercados populares que vendem roupas para festa de 15 anos, com lembrancinhas e tudo mais que não poderia faltar numa boa novela mexicana, dentro da cidade um canal gigante onde podemos navegar por ilhas artificiais numa embarcação colorida tomando cerveja e ouvindo cumbia. Imperdivel!!!!!!!!

las chicas terremoto

Entre no ritmo das musas das almofadas que fizemos para a Casa Cor Peru.

Com vocês,

almofadas-2

!!!!

marcelo no méxico: o conteúdo

Estamos aqui pra falar de cor na arquitetura sustentável, que é o tema deste encontro… Hoje, fica cada vez mais claro que não se pode dissociar sustentabilidade de educação. E aproximando mais esta idéia do nosso dia a dia de vida e de trabalho, o quanto o design de interiores, a decoração das nossas casas, tem o potencial de promover a inclusão – através da educação, que fundamenta a sustentabilidade. Já não existe a possibilidade de pensar na cidade, nos espaços das casas, sem pensar em revalorizar o que é essencial, o aconchego, as memórias, as raízes da cultura e da arte popular. E isso é educar o olhar para esta beleza, é incluir este artista e este sentimento de aconchego.

Proponho um exercício experimental para sentir/falar/pensar a cor, também através do corpo, do movimento. Gostaria de exaltar a riqueza da variedade de cores e do artesanato latino-americanos.

Busquei referências no Tropicalismo, movimento que sacudiu a música popular brasileira e a cultura brasileira entre 1967 e 1972. Foi inovador, transformador dos gostos e atitudes, abriu horizontes e não pretendeu estabelecer limites. Mexeu com a música, com a política, com a moral, com os comportamentos, com a estética, com o corpo, com o sexo, com a moda.

Outra inspiração é Lina Bo Bardi, a arquiteta italiana que nos deu o privilégio de tornar-se brasileira de coração. Interpretou como ninguém a vibração da nossa cultura popular e fez bom uso, como matéria-prima para a criação do seu moderno. Considerava o povo brasileiro “ainda não contaminado pela soberba e pelo dinheiro”.

Exuberância , choque, revelação e recriação compõem nosso cenário.

Se pensarmos no corpo como a hospedagem de nossa alma soberana, então ele será nossa referência principal, de estrutura que sustenta e ocupa seu espaço devido. Nossa casa. E é pensando nessa casa, que a alma ganha espaço e encontra conforto.

parangole latino americano

parangole latino americano